Ensaio Test-Drive Toyota Auris 1.8 HSD

Este mês tivémos a possibilidade de passear num Toyota híbrido, o Auris 1.8 HSD na versão hatchback (carro). Veja as nossas impressões deste Auris renovado, amigo do ambiente e da carteira.



 

Motor:

Começando pelos corações deste Auris, temos o 1.8 VVT-i a gasolina acoplado a um motor eléctrico de 60 kW. Para aqueles que estão mais desactualizados e associam um híbrido a um carro lento desenganem-se agora: não há dúvida que qualquer híbrido convida a andar devagar e explorar a potência eléctrica mas lembrem-se que também que em carros como este podemos usar os dois motores em simultâneo. Neste caso obtemos uns interessantes 136 Cv que chegam e sobram para tornar o Auris divertido.
 


Dá gosto apanhar trânsito

 TOYOTA AURIS HB 1,8 HSD CONSUMOS
 
Este Auris apesar de ser largo e carregar jantes de 17 polegadas fez médias a rondar os 4,9 L / 100 Kms. Neste momento é o carro mais económico testado pelo Asfalto.pt (nov 2013) . Convém referir que é possível gastar ainda menos do que isto (a marca anuncia cerca de 3,9 L/100 Km) mas claro que o nosso teste temos também de puxar pelo carro para perceber o seu comportamento dinâmico.

Foi o primeiro carro em que senti tranquilidade no trânsito. Com o Auris de bateria carregada (se estiver descarregada liga o motor a combustão) podemos andar no pára-arranca sem gastar uma pinga de combustível (nem fazer barulho) e isso reduz os nervos nos períodos antes de chegar ao trabalho ou a casa.
 

 

Dar nas vistas por ser discreto

Rerparei em Lisboa que as pessoas não se apercebem do aproximar do carro e quando finalmente dão conta parecem todas admiradas. Parece que estão à espera de ver uma trotinete eléctrica e dão de caras com  um carro familiar.
 
 
 

Dinâmica de condução

Como já referi o Auris apesar de híbrido não é de todo um carro lento, acelera dos 0 aos 100 em 10,9 s e consegue boas recuperações quando pedimos os 136 Cv provenientes do motor a gasolina combinado com o eléctrico (modo Power). As jantes de 17” combinadas com pneus 225/45 proporcionam uma aderência muito boa mesmo provocando o carro ao limite, sensação é de plena estabilidade e confiança na máquina. A suspensão também desempenha papel importante neste capítulo e gere muito bem as transferências de peso.
 
 
 
 
 
 

Sistema Híbrido, regeneração de energia, modos e caixa

Auris Sistema híbrido, fluxos de energia
Este toyota hi-tech utiliza o sistema Hybrid Synergy Drive um avançado programa que gere o fluxo de energia em conjunto com a caixa de velocidades, automática gerando energia sempre que é possível (descidas, desacelerações, etc.). O Computador de bordo mostra uma imagem ao momento do fluxo de energia, desta forma sabemos e facilmente se estamos a armazenar ou gastar energia eléctrica, se de combustão.

Caixa CVTEm vez de um conta-rotações temos um outro indicador que passa por três níveis: Chg, Eco e Power. O primeiro significa carga e indica-nos quando estamos ou não a carregar a bateria, depois entrando no Eco, sensívelmente até meio (e velocidades inferiores a 80 km/h) indica-nos que vamos a poupar utilizando o motor eléctrico (surge também o símbolo “Electric Vehicle”). Depois na segunda metade do marcador Eco está o motor a combustão a trabalhar produzindo também energia para o eléctrico. O indicador Power surge sempre que se põe o “pé na tábua” e indica-nos que estão a ser usados os dois motores em simultâneo.

A caixa de velocidades e-CVT joga com todo este sistema de energia e sendo automática proporciona um conforto tremendo, este é sem dúvida o carro para quem quer viajar tranquilo sem grande esforço. Esta caixa de nome esquisito não é mais uma automática, é uma transmissão variável contínua, dizem os especialistas que por ter menos partes móveis mostrará com tempo ser uma solução fiável e que requer menos manutenção.
 

 

Desgin

Fotos Toyota Auris Design

A renovação do Auris foi total e sobram poucas (ou nenhumas) alusões ao modelo anterior. Ficou mais largo e baixo e ganhou um aspecto mais desportivo. Por dentro é onde se faz notar uma gigante evolução na qualidade face ao modelo anterior.

A traseira não gerou consenso na redacção do Asfalto.pt, eu gostei do conjunto mas ouvi várias críticas ao design da traseira e aqui não vale a pena inventar, é uma questão de gosto.
 

Conforto e espaço

O Auris para além de ser o carro mais económico que já testei neste portal foi também o mais confortável (vence mesmo o Civic que tinha tido excelente nota no conforto). O interior é envolvente e nota-se que foi dada muita importância ao campo da insonorização que discretamente contribui muito para o conforto.

A suspensão apesar de ter sido trabalhada para melhorar o desempenho dinâmico do carro não ficou desconfortável. Conseguiram um agradável meio-termo.

Na versão ensaiada existem alguns pormenores a destacar com o AC automático bi-zona, volante em pele, sensores de estacionamento á frente e atrás, sensores de luz e chuva, etc.
 

Fotos Toyota Auris interiores

Qualidade dos interiores

Este Toyota distingue-se (na versão ensaiada) por toques de muito bom gosto e qualidade no interior. Nesta versão temos a consola central e o painel de instrumentos com um excelente acabamento em pele. Não é comum ver isto num carro deste segmento. O fabricante manteve botões e plásticos simples mas aprimorou o interior do carro com estes pormenores que fazem a diferença e nem parecem de um familiar compacto.

A marca também não poupou nos bancos e apoio de braço que são outros dos pontos chave para esta excelente nota de conforto.
 

Versão Hybrid Sport e tech-toys

Com o pacote Hybrid Sport (da versão ensaiada) a marca inclui espelhos rebatíeis automaticamente com indicadores de direcção integrados, luzes diurnas LED, vidros traseiros escurecidos e câmara de marcha-atrás.

O sistema Toyota Touch e Go custa 765€ e inclui sistema de navegação GPS e funções estendidas ao nível de actualização de software e integração com smartphones bem como duas colunas para além das 4 incluídas na versão normal que já inclui ligação USB e bluetooth.
 

Preço Qualidade

 

Partilha: